Por que as mulheres vão para o salão?

Texto que achei simplesmente muito bom !!! Vale a pena a lida.

Abraços a todos e conforto para as damas sempre !!

K-Yo Victor

 

 

" Ouvindo depoimentos de algumas damas praticantes da dança de salão, alunas, professoras, amiga da amiga… enfim, todas que se dispuseram a dar alguma informação a respeito do que vem e sentem; sintetizamos a seguir um resumo geral do que nos foi passado, direta ou indiretamente.

A pergunta inicial foi: “Por que as mulheres vão para o salão?” Em décadas passadas, de acordo com as conversas com tias, mães e avós, as mulheres iam dançar nos bailes para “escolher” aquele que seria seu futuro parceiro. Não apenas na dança, mas também na vida. Observavam como se vestiam e andavam, como dançavam ou agiam com as senhoritas desde o convite para bailar, durante a dança e até seu fim. O cavalheirismo e o romantismo eram atributos mais que necessários para se tornar um pretenso candidato, pois estavam diretamente relacionados ao caráter e à cultura do rapaz. Como isso elas tinham uma idéia clara de como seria a vida futura, como essas virtudes, presentes ou não, interfeririam na criação e educação dos filhos, na vida cotidiana, etc.

O que mudou com o tempo? O que se perdeu? O cavalheirismo ou o caráter? Não queremos dizer com isso que os cavalheiros precisam passar por um processo de seleção (apesar de que já o era) para se casarem, mas que características básicas que as damas buscam em seus pares existissem para um relacionamento baseado no amor e na amizade sólida que se pretendia construir. Lógico, que os grandes bailes propiciavam esses encontros e nos dias atuais não mais os temos. O mundo se “modernizou” e globalizou, vide a Internet. Tudo se perdeu? Os encontros são casuais, apenas passageiros ou por e-mail mesmo. E o romantismo? Aquele gostinho de conquistar? Ou tentar? Onde ficaram? Não existem tantos bailes como aqueles e, principalmente, presenciamos menos ofertas de lugares para se dançar a dois ou praticar a dança de salão. O que costumamos ver por aí é uma série de cavalheiros rodeando o salão, apenas olhando. O que será que pensam? Vou? Não vou? Arrisco-me em alguns passos? E se eu não souber? O que ela vai pensar? Ih, os outros vão rir de mim! Vou ser a gozação de meus amigos.

Será que eles estão apenas questionando sua habilidade de dançar mesmo? Ou afins de qualquer coisa, “exceto dançar”? E assim, novamente as “mulheres no salão” saem frustradas, chateadas por não encontrarem alguém que simplesmente bailassem com elas, porque na verdade era só isso que elas queriam ou querem hoje em dia. Se divertir sim, mas com glamour, com classe e, sobretudo com muita educação e sem preocupação, sentir que a vida não passou e sim que está apenas começando novamente, com uma nova perspectiva para ambos, a juventude plena e eterna agindo através de um ânimo alegre e descontraído.

Por outro lado, será que nossa ousadia e uma maior presença no mundo moderno não assustam muitos homens? Inseguros, muitas vezes permanecem estáticos, só observando. Não vamos massacrar os homens. Muitas vezes eles perderam o cavalheirismo por “falhas” da própria mulher que, com a conquista de sua independência, provoca essa atitude! O que acontece geralmente é que o resgate do cavalheirismo começa quando um homem passa a freqüentar aulas de dança. Aí ele percebe seu verdadeiro sentido. Dançar por prazer, respeitando a dama e não para tirar uma “casquinha” da mulher. É certo que este tipo de cavalheiro não fica no salão com um copo na mão servindo de “parceira”. Ele aproveitará cada momento para colocar em prática o que aprendeu no salão e na vida!

É difícil para os homens? Sim, sempre. Mas também é para as mulheres! Que digam as casadas, ou que já tem seu namorado ou parceiro fixo. Costumamos achar que dançamos melhor que eles, até entrarmos para um curso de dança de salão quando, no decorrer das aulas, percebemos que não sabemos nada. Tanto quanto eles. Percebemos que, além de querer dançar, você tem que aprender a se deixar conduzir, o que não é nada fácil nos dias de hoje, onde a mulher está abarcando mais responsabilidades para si, direta ou indiretamente. São: sua casa, seus filhos, família, carreira, conflitos, seu dia-a-dia… Porém, descobrimos que se deixar conduzir exige uma cumplicidade, uma troca, um despertar de sensibilidade de ambos, para que as experiências ali aprendidas comecem a lapidar as arestas e então encontrar o encaixe e a união harmoniosa. O famoso “sincronismo”! É isso que você aprende numa aula de dança. Não são só passos e técnicas. Você aprende a ser mais sensível, mais paciente, mais receptiva, ao mesmo tempo em que mais doadora, você aprende a improvisar. Você aprende que o erro existe, mas que o mais importante é identificá-lo o mais rápido possível, e então corrigi-lo, sem se preocupar com quem errou, senão você perde o objetivo principal que é DANÇAR!!! Tem momentos em que você tem a necessidade de conter as emoções, saber considerar e dar nova chance… Aprendemos que assim é a vida também. Você tem que estar em sintonia com seu parceiro, seu trabalho, seus filhos. Você tem que aperfeiçoar esta sensibilidade para que ambos caminhem juntos, dancem a mesma música, pois se assim não for, um sempre vai levar ou dar um “pisão” no pé do outro… É um exercício constante. “Para dançar, basta você querer aprender a dançar!!!”

Jucimara Sequinel
(Asgar Centro de Dança)

Cantora angolana Deusa prepara-se para lançar segundo disco

Cantora angolana Deusa

Luanda - A cantora angolana Deusa, residente em Portugal, está a preparar-se para o lançamento, em Luanda, do seu segundo disco intitulado “Tchilar”.
Em declarações hoje à Angop, a partir de Lisboa (Portugal), Deusa disse que o disco, que comporta 12 músicas e concebidas nos estilos Zouk, tarrachinha e semba, é uma homenagem as origens do povo angolano e em especial da mulher pela sua dedicação·a causa do país.

Celma Ribas prepara segundo disco em Paris (França)

celmaLuanda - Com quatro músicas promocionais já do conhecimento público nas últimas duas semanas nas rádios nacionais e discotecas, a cantora angolana Celma Ribas está em fase terminal da gravação do segundo disco de originais da carreira, cujo lançamento está previsto para Janeiro de 2011.

Dom Kikas entre os nomeados no Soundcity Awards

Dom Kikas entre os nomeados no 'Soundcity Awards'

Don Kikas entre os nomeados ao prémio ?Soundcity Music Awards"Luanda·– O cantor angolano Dom Kikas foi nomeado para o prémio “Soundcity Music Awards”, na categoria de melhor vídeo masculino, cuja gala acontece a 20 de Novembro do corrente ano na cidade de Lagos (Nigéria).
Em declarações hoje à Angop, a partir de Lisboa (Portugal), o artista referiu que o vídeo seleccionado é da música “Continua Assim”, do seu mais recente trabalho discográfico “My Stuff”, pela cadeia televisiva Soundcity.

SOULZOUK.COM